top of page

CARINHOSO │ O Nº. 1 música de Música Popular do Brasil

A História da Música Popular Brasileira (MPB) tem seus melhores momentos marcados graças a encontros específicos de artistas, que uniram seus grandes talentos e imaginação para criar, regravar e/ou executar obras consideradas definitivas.

Foi o que aconteceu com “ Carinhoso ”, atualmente avaliada e reconhecida como a canção mais cantada, assobiada, cantada, entoada, regravada, amada e conhecida por todo o coletivo brasileiro.

Curiosamente, esta canção nasceu simplesmente como uma obra instrumental em 1917.

Seu compositor foi o brilhante músico Alfredo da Rocha Viana Filho, conhecido como " Pixinguinha " (1897~1973).

A letra é uma composição de João de Barro " Braguinha " (1907~2006) e foi acrescentada à melodia original em 1936, quase 20 anos após sua primeira edição musical.


Alfredo da Rocha Viana Filho │ "Pixinguinha"
Alfredo da Rocha Viana Filho │ "Pixinguinha"

Um ano depois de ter letra, sua versão mais famosa seria gravada por Orlando Silva (1915~1978), o cantor mais emblemático da época.


Antes da lendária versão de Orlando Silva, o caminho que “ Carinhoso ” teve que percorrer para ser gravado em disco é quase suficiente para escrever um livro à parte.

Depois de ouvir a música original, a maioria das gravadoras onde trabalhavam os principais músicos, cantores e arranjadores, inicialmente rejeitaram a gravação da música por considerá-la muito influenciada pelo Jazz.

Francisco Alves e Carlos Galhardo foram os primeiros consultados, ambos argumentando que além de ter uma melodia um tanto estranha e fora dos gostos musicais da época, a letra também não ajudava muito na interpretação.



Monumento Pixinguinha │ Rua Travessa do Ouvidor (RJ)
Monumento a Pixinguinha │ Travessa do Ouvidor (RJ)


Jornalistas especializados chegaram a acusar Pixinguinha de ser muito influenciado pela música americana, argumentando que ele havia abandonado a carreira de músico popular brasileiro para se tornar um simples intérprete de ritmos e melodias americanas.

Em suma, “ Carinhoso ” para todos os efeitos, foi considerado um verdadeiro “ foxtrote ”, com diferentes variações e influências da músicaianque. Respeitando a melodia original e após uma longa introdução instrumental, Orlando Silva soube cantar " Carinhoso " como ninguém (1937).



Pixinguinha ► " Carinhoso " :

Meu coração, não sei por que... │ Fico feliz quando vejo você... │ Meus olhos estão sorrindo │ Estou ansioso para te seguir │ Mas assim mesmo, meus olhos...


Ah, eu conheço seus comentários │ Gosto do seu amor │ E muito, muito que te amo │ E que sincero ou meu amor │ Sei que você não fugiria de mim...


Vai, vai, vai, vai... │ Vamos sentir o calor de mais dois lábios │ À conseguir dois teus │ Vamos matar essa paixão │ Que me devora no coração │ E assim mesmo, então, serei feliz │ Bem feliz...



O álbum foi lançado pela gravadora RCA Victor em formato vinil compacto de 78 rpm. com o selo Samba, para definir o estilo musical.

Esta canção logo se tornou a gravação mais importante de sua carreira musical, alcançando sucessivos recordes de vendas.


Orlando Silva │ Carinhoso │ Samba │ 78 rpm.
Orlando Silva │ Carinhoso │ Samba │ 78 rpm.

Ao longo da história e após esse grande sucesso, a canção foi interpretada durante décadas por praticamente todos os mais importantes músicos e/ou cantores brasileiros.

" Carinhoso " está no repertório de Silvio Caldas, Ángela María, Elizeth Cardoso, Dalva de Oliveira, Elis Regina, Maria Bethânia, Radamés Gnattali, Antônio Carlos Jobim, Arthur Moreira Lima, Garoto, Hermeto Pascual, Caetano Veloso, Jacob do Bandolim, Nara Leão, Marisa Monte, Paulinho da Viola, Baden Powell, João Gilberto, etc., bem como na memória de vários milhões de brasileiros que, ao longo de todas estas décadas, encontraram no " Carinhoso " a sua música de identidade... !


Dorival Caymmi │ Pixinguinha │ Baden Powell │ Vinícius de Moraes e Tom Jobim
Dorival Caymmi │ Pixinguinha │ Baden Powell │ Vinícius de Moraes e Tom Jobim

Atualmente, vários especialistas e/ou estudiosos musicais tentam explicar a extraordinária aceitação desta música tradicional. Entre seus argumentos, apontam dois elementos precisos que podem ser facilmente identificados: o prolongamento sofisticado e ao mesmo tempo simples com leve ascendente das notas da melodia, e a tensão emocional da letra durante os diferentes " tempos " dela. .

A combinação é perfeita e o resultado final, uma verdadeira obra-prima.


Uma das interpretações mais relevantes de “ Carinhoso ” dos últimos tempos tem sido interpretada pela cantora Marisa Monte, acompanhada por Paulinho da Viola.



Quanto à origem e inspiração desta música, a história do "Carinhoso" se confunde com o nascimento do " Choro " como estilo musical genuinamente carioca.

Os primeiros registros desse estilo datam de 1870, no Rio de Janeiro (RJ).

Os " Chorões " era o nome comum dado a um grupo de músicos da época, maioritariamente oriundos da classe média baixa, que misturavam a música africana com o samba e com vários géneros musicais europeus, entre os quais predominava o mais polca.

De ritmo binário e ritmo agitado, essa música teve ampla repercussão no Brasil do início do século XX.

Mas foi finalmente no Rio de Janeiro, através de instrumentos tradicionais como os " cavaquinhos ", " violões " e as flautas dos "C horões " tocando juntos ao ritmo africano do Iundu, que nasceu, dando origem ao que sabemos hoje. como " Choro ".


Os Oito (8) Bastões
Os Oito (8) Bastões

Pixinguinha foi um dos maiores divulgadores e o verdadeiro responsável pela consolidação do " Choro " como gênero musical brasileiro.

Com seu Grupo " Os Oito (8) Batutas " formado apenas por mulatos e negros, criaram uma estética nova e revolucionária nos espaços musicais brasileiros, sendo convidados a realizar concertos em Paris (1922), Buenos Aires (1922), etc.

Desde o início, o “ Choro ” foi marcado pela grande habilidade musical, virtuosismo, imaginação e improvisação (dentro e fora da melodia) de seus instrumentistas.


Salve Pixinginha, você que “corou” todas as minhas tristezas de amor (Vinícius de Moaes │ Samba da Benção)
Salve Pixinginha, você que “corou” todas as minhas tristezas de amor (Vinícius de Moaes │ Samba da Benção)

Sobre Pixinguinha , o crítico e historiador Ary Vasconcelos escreve: “Se você tivesse uns 15 volumes virgens para falar de toda a Música Popular Brasileira, pode ter certeza que não é suficiente.

Mas se o espaço que você tem é tão pequeno que cabe apenas uma palavra, nem tudo está perdido...

► Escreva de forma rápida e clara: " Pixinguinha" ...!



PS ► Este post foi publicado originalmente em www,bossanovaclube.blogspot.com em 21/11/2013

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page